Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

russomanias

russomanias

Adoro os nossos "heróis" do futebol!...

É habitual dizer-se que Portugal é um país de brandos costumes, e onde melhor podemos verificar da cabal veracidade ou não dessa afirmação é precisamente nos nossos campos de futebol, antes, durante e depois de vinte e dois geralmente bem pagos "players" terem baralhado e perseguido a bola pelos quatro cantos do relvado. É claro que se me vierem para aqui dizer que essa "brandura" não é nada comparada com a dos estouvados madrilenos ou a dos destrambelhados teutónicos, isso pode acontecer, mas do que aqui estamos a falar é dos heróicos e valentes lusitanos, esses destemidos pastores que colocaram as hostes de Roma na mais completa debandada. E para provar que somos mesmo um povo de destemidos "heróis", basta-nos olhar para o que se passou este último domingo em Guimarães e em Lisboa, com todos aqueles "soldados" vermelhos em pé de guerra, prontinhos a defender a Pátria e os valores da democracia duramente conquistados.

 

E não me venham dizer que aqueles revolucionários soldados "vermelhos" são os mais valorosos em campanha, pois sempre que necessário os similares esquadrões "azuis" ou "verdes" são tão bons como os primeiros e todos juntos são, sem dúvida, uma reserva militar e moral deste nosso jardim à beira-mar escarrapachado. Claro que a minha satisfação não pode ser melhor do que a que é hoje, pois verifico que o nosso país está vivo e bem vivo, com uma capacidade ofensiva fora do comum, pronto a deixar em frangalhos qualquer tentativa de agressão externa, por mais poderosa que seja. Se a NATO precisa mesmo de bons "soldados" para combater os infieis, sinceramente não compreendo que ainda não tenha reparado neste nosso Portugal, pois aqui eles existem aos molhos, somos um fervilhante viveiro dos melhores deles, de todas as cores do arco-iris.

 

Claro que qualquer um de vocês me pode colocar a pertinente questão, e bem, de saber por que raio de razão esses valorosos "soldados" estão sempre tão caladinhos e deixam de ser "heróis" quando o Governo ou o patrão lhes vão, desalmada e airosamente, aos bolsos. A minha resposta só pode ser uma... "os heróis também se abatem"!...