Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

russomanias

russomanias

Agora sim, isto vai?...

Mas será que vai mesmo?... muitos certamente esperariam que tudo iria mudar e que, de um dia para o outro, as nossas vidas virariam para bem melhor. É claro que para quem já aqui anda há uns anitos estes "folclores" de quem são os bons e os maus não passam de pura trêta. Os que sempre foram espezinhados continuam a sê-lo, os que sempre viveram de magras reformas continuam na mesma cêpa torta, a maioria dos que há anos prucuram emprego continuam a procurá-lo e, quem se sente a mais no país continua feliz e alegremente a emigrar. Mas então, para que serviu esta "mudança"? Basicamente para nos empalear!... o Estado não continua, como dantes, a injectar o nosso rico dinheirinho nos Bancos? Continua. Os "pedreiros livres" de todos os quadrantes que roubaram durante anos o Estado, as Autarquias e os Bancos alguém lhes deitou já a mão? Claro que não. Estão eles preocupados que este governo "socialista" ponha cobro às grandes manigâncias e coloque a Justiça a funcionar para punir os habituais prevaricadores, não de "tostões", mas de milhões? Nem um pouco.

 

Então que nos resta? Que restará a este degradado país, madrasto para as suas nobres gentes e um autêntico paraíso para os reformados americanos, ingleses, alemães e franceses? Alguma coisa restará sem dúvida, pois enquanto há vida há esperança. Em primeiro lugar, resta-lhe esperar que o Benfica elimine sem peneiras o Zenit no próximo jogo da "Champions", facto estruturante que se revelará da maior importância para a nossa afirmação como país livre e independente. Por isso, tudo a postos para mais um nobre gesto "patriótico" de apoio ao salvador da "Luz". Alguns dirão, não sem alguma razão, que não é só futebolisticamente falando que salvaremos a nossa pátria das "trevas". Para esses outros temos ainda a comevedora e pia solução de uma peregrinação a Fátima, pedindo a Deus pelo bem futuro do nosso país, rogando por Justiça no Céu àqueles que se têm livrado dela cá na terra... que têm sido espertos e muitos!...