Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

russomanias

russomanias

Portugal empatado

Andamos para aqui nós a tentar tirar uns dias de sossego e descontração antes do massacrante mês de Setembro que vamos ter pela frente, mas esta gente não nos dá descanso e teima em fazer de nós parvos e insanos, porfiando na conversa fiada e na lenga-lenga habitual de que tudo vai ficar como dantes e na trampa deste país não se vai mexer nem uma palha sequer. Sempre que se liga um qualquer canal da TV ou se abre a página de um jornaleco de vão-de-escada a tirada é sempre a mesma e até parece que somos para aqui uns andrajosos jecos, disponíveis para aceitar qualquer lavagem que nos queiram enfiar pela pia abaixo.

 

Quem ouvir o Marcelo ou o Marques Mendes, entre outros figurões do mesmo pasmacento campeonato, fica ciente de que em Portugal o pagode votará sempre, por igual, PSD/CDS ou PS, nem um à frente nem outro atrás, pois a corja que nos tem governado e a que anteriormente nos governou merecem ambas o respeito e o reconhecimento deste povo por vezes ingrato e que nem sempre se revê nas cáfilas de aprendizes de líderes que nos têm atirado para o abismo. E é extraordinário o esforço que aqueles dois vomitadores de convenientes sentenças, arautos ambos da social-democracia de enfarta bancos e da degradação contínua da vida de quem trabalha, no sentido de nos fazer crer a todos que o resultado das próximas eleições será um porreirinho... empate entre o PSD/CDS e o PS. Eles, com as suas fabricadas e milagrosas sondagens, já nos vão dizendo, e voltando a dizer, que o mal cheiroso e pestilento "arco do poder" que tem desgraçado o país é para continuar e não vale a pena pensar que os resultados vão ser diferentes dos anteriores.

 

Estou convencido que o maralhal, com as férias, anda ainda um pouco distraído com as intenções "moralistas" destes finórios sabichões, mas que, quando a poeira finalmente assentar, vai cair em si e vai responder finalmente à altura a esta gente ansiosa e mal intencionada, interesseiros semeadores da política empata-fodas que atirou Portugal para um canto da estrumeira da Europa.