Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

russomanias

russomanias

Três dicas a Marcelo

Quem não ficou tocado e de coração dormente com aquelas filas de gente desejosas de entrar no Palácio do Senhor Presidente e poder enfim dizer: "somos todos iguais, este sim é o Presidente do povo"? Não há português, por mais durão e empedernido que seja, que não vislumbre já uma nova era no relacionamento entre a ralé e o poder, entre os de cima e os de baixo, entre os que sempre comem e os que comem de quando em vez, entre os que ordenam e os que sempre obedecem, entre os que têm o poder de dar "afectos" e os desafectados da vida. Por isso me lembrei, de tão tocado e maravilhado com tão doces e punjentes "afectos" manifestados pelo nosso Presidente, de tomar a liberdade de lhe deixar umas dicas, ao todo três, não querendo com isto dizer que não possa de quando em vez aliviar a aljibeira com mais nobres e "afectuosos" contributos para a sua presidencial saga de baralhar e anestesiar o tão ultimamente enxovalhado maralhal.

 

Aqui vai pois, como primeira dica, a de passar, a partir de agora, a assistir dominicalmente à missa nas mais diversas freguesias e vilarejos de que se compõe este antiquíssimo e nobre país, podendo certamente começar nos mais diversos templos da nobre capital, mas estendendo logo a sua acção "afectuosa" à margem sul e Alentejo, sem esquecer as mais escassas igrejas e capelas dos Algarves, e igualmente as já bem mais numerosas do centro e norte, estas sim, de rentabilidade mais que assegurada pela quantidade de gentes que nelas costuma assentar. Bem vê, caríssimo Presidente, o quanto angariaria vocemecê para a sua nobre causa, ao decidir-se, domingo a domingo, a rezar, a cumprimentar e a beijar tão nobres e piedosas gentes que tão carentes estão do seu "afecto" e carinho.

 

A segunda dica, relativamente à qual o Ex.m.º Senhor Presidente de certeza atingirá imediatamente o alcance, tem a ver com o facto de, perante tão graves e preementes carências deixadas a este nobre povo pelo anterior governo, Vossa Excelência poder e dever certamente minorar tal facto com o arremedeio de doar de quando em vez aos milhares de carenciados deste humilde país as suas roupas e fatos já fora de uso, hábito muito em voga nos tempos de antigamente, em que os ricos garantiam a sua subida ao céu doando as suas vestes fóra de uso aos mais humildes e carenciados. Por certo, esta segunda dica, muitíssimo bem concatenada com a primeira, desde que devidamente publicitadas, dariam certamente como garantida a sua segunda eleição.

 

Por fim, mas "not the last", que tal a dica, desta vez a terceira, de passar Vossa Excelência Senhor Presidente a usar nas suas deslocações no interior do país não aqueles espampanantes e luxuosos Mercedes e BMWs afectos ao serviço da Presidência, arrenegados representantes da nacionalmente odiada Senhora Merkel, mas antes os mais bem aceitáveis e económicos modelos "Trabant" da extinta RDA, igualmente teutónicos é certo, mas mais populares e condizentes com a sua intrínseca, genuina e admirável dedicação e "afecto" pelos sentimentos deste ultimamente martirizado povo.

 

Quem confundir estas minhas três dicas com qualquer pretensão da minha parte de vir futuramente a ser convidado pelo Senhor Presidente Marcelo Rebelo de Sousa para fazer parte do seu "staff" de aconselhamento ou para uma possível vaga que se possa abrir no Conselho de Estado, só prova com isso a sua total ignorância sobre a valoração que atribuo à nobre palavra "dignidade".