Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

russomanias

russomanias

Três simples coisas de que Portugal urgentemente não precisa

Portugal não precisa de políticos que se esqueçam de cumprir com as suas obrigações. E eles efectivamente não são necessários pelo simples facto de os portugueses não terem paciência para aturar mediocridades arrogantes que fazem inflamados discursos sobre a necessidade de todos termos compreensão e calma com o momento difícil que atravessamos e pagarmos atempadamente os nossos impostos, quando políticos de topo, com a responsabilidade suprema pelo país, se esquecem de que, como qualquer outra pessoa, têm que pagar atempadamente à Segurança Social e às Finanças. Quando a liderança de um país não dá o exemplo perde todo o respeito dos restantes cidadãos.

 

Portugal não precisa de políticos mentirosos. Errar é humano. Já quanto a mentir, deliberada e continuadamente, é desmerecer qualquer pingo de credibilidade. Quando um político de topo vem dizer para a televisão que o seu governo criou 175.000 novos empregos desde 2013 é tentar desmentir o óbvio, é tentar dizer-nos que o branco é preto ou então tentar passar um atestado de incapacidade e menoridade a todo um povo, povo que viu partir cerca de 300.000 pessoas para o estrangeiro por se encontrarem sem emprego em Portugal. E, a cada dia que passa, centenas e centenas de pessoas continuam a abandonar o país pela razão singela de que... ou emigram ou morrem à fome.

 

Portugal não precisa de políticos que se vendam à Alemanha. Que se vendam à Alemanha ou a qualquer outro país. Nada pode prejudicar mais um povo que ser governado por políticos que estejam ao serviço dos interesses de um outro país ou de instituições financeiras poderosas que têm como objectivo sugar deliberadamente o sangue de economias pequenas ou débeis, como vem acontecendo com a Grécia, Portugal e Irlanda. Portugal precisa é de políticos firmes e honestos, intransigentes na defesa dos interesses do país e que privilegiem acções de defesa conjuntas com os restantes países da comunidade que estão a ser vítimas das medidas desastrosas do Senhor Schäuble, da Senhora Merkel e da poderosa e autoritária Alemanha.