Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

russomanias

russomanias

Melhor Escola não há!...

Um bom pai de família quer sempre o melhor para os seus filhos. A melhor alimentação, o melhor serviço de saúde, o melhor infantário... a melhor Escola. Os jovens que pensam em casar sonham desde cedo com tudo isso e, se concluem que não o poderão dar jamais aos seus filhos, por vezes desistem... ou então emigram. A procura de uma boa Escola vem no sentido de que exigimos sempre para os nossos filhos bons exemplos de educação, de estudo, de empenho, de trabalho, de solidariedade, de ética, de moral, de justiça, enfim, de tudo quanto nos ensinaram seriam os ingredientes para se viver em democracia e se obter bons resultados e sucesso na vida. E então nós, os pais, damos tudo, o possível e o impossível, para que os nossos filhos disponham dessas portentosas "ferramentas" para se abalançarem, porfiarem... e vencerem.

 

Mas então um belo dia vemos e ouvimos o Primeiro Ministro deste nosso radioso e incrível país elogiar alguém do seu próprio partido, a contas há anos com a justiça, cuja administração danosa num conhecido Banco causou cinco mil milhões de euros de prejuízo ao erário público, que tiveram de ser pagos a expensas das magras pensões dos reformados e dos salários dos funcionários públicos. Disse então o nosso Primeiro Ministro, com um sorrisinho na boca, que essa pessoa era um "empresário bem sucedido", que sabe bem que se "queremos vencer na vida... temos que ser exigentes, metódicos", não se importando nem pouco mais nem menos com os infelizes e maus exemplos para a sociedade vindos desse seu "amigo" de partido. Isto é, segundo ele o PSD é a melhor Escola em Portugal que podemos recomendar para os nossos filhos, pois aí abundam relevantes exemplos de "empresários bem sucedidos" que levaram Bancos à falência, pediram empréstimos e não pagaram, estão acusados de assassinar pessoas no estrangeiro e fogem à justiça, trabalharam em várias empresas mas sempre se "esqueceram" que tinham que pagar à Segurança Social.

 

Depois disto não procure mais, zele pelo sagrado futuro dos seus filhos... inscreva-os já na elogiada, promissora e galardoada "Escola" do PSD!... 

 

 

A minha Mãe e eu

É sempre muito difícil falarmos da nossa Mãe, daquela que nos embalou e amou como se fossemos a única e a mais importante coisa do mundo a defender e a proteger. Dia da Mãe para mim é todos os dias e não há um único dia do ano em que a sua imagem não passe por mim, mesmo que ao de leve ou a correr. Nunca poderia dedicar-lhe um só dia, porque Mãe é todos os dias nem que seja só em sonhos, nem que seja só em pequenos laivos de lembranças de pequenas coisas de criança. Não há dia que passe sem aquela imagem de carinho e preocupação ao deitar ou ao levantar, "vá, filho, cobre-te bem, está muito frio, vou trazer-te leite quente para não ficares doente", ou então "tem cuidado, não andes a jogar à bola com os sapatos novos, olha que eu e o teu pai passamos muitos sacrifícios para tos comprar", e lá ia eu, sem nada ouvir, precisamente jogar à bola... com os sapatos novos.

 

Já não ter Mãe, como eu, em nada nos faz aliviar das recordações que nos estarão para sempre gravadas no subconsciente, antes pelo contrário, fica-nos sempre a dúvida se teremos feito ou não tudo o que pudemos para lhe agradecer, mesmo que por poucas palavras ou ligeiras acções, o quanto nos deu e o quanto padeceu para nos criar. É claro que não me refiro aqui àquelas grandiosas e dispendiosas festas tipo "50 anos de casados", em que é mais a barulheira e a confusão do que um verdadeiro momento de carinho e agradecimento. Refiro-me acima de tudo àqueles momentos em que pude dedicar-me verdadeiramente à minha Mãe quase em exclusividade, dando-lhe toda a atenção e carinho, preocupando-me quase só com ela, um dia, dois, três, um mês, dois, um ano, vários e vários anos seguidos, até mo permitirem circunstâncias menos felizes e imprevistas da vida.

 

Por isso, Dia da Mãe para mim é todos os dias, pois é todos os dias que a sua imagem passa por mim e é todos os dias que a recordo e venero, nem que seja só para lhe dizer... "Obrigado Mãe"!...

 

 

Pág. 2/2