Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

russomanias

russomanias

Dicionário de Política para Tótós - de A a Z

SOCIAL-DEMOCRACIA  -  Nós portugueses somos de todo uns alegres felizardos. Vivemos num país lindo, com muito sol, boa comida, uma pinga de morrer e, mais importante ainda, em social-democracia. Sim, que quanto à social-democracia é de aproveitar agora, que ainda a podemos gozar, já que quanto ao resto felizmente é todo o ano e enquanto cá andarmos. Vivemos momentos históricos e inolvidáveis de felicidade dita nórdica, sim, a mesma felicidade desses indigentes povos ditos do norte da Europa, que trabalham e labutam toda uma vida mas que têm níveis de subsistência invejáveis, com boas casas, bons carros, uma educação primorosa, ordenados mínimos de 2000 €/mês, assistência cuidadosa na velhice e sem filas de espera de seis horas nos corredores dos hospitais.

 

Mas a social-democracia portuguesa, "made in" PSD, tem uma amplitude nunca vista nessas tais maravilhas do norte da Europa, como seja a plena e equitativa distribuição da riqueza pela maioria da população, pequenas e pontuais diferenças entre os mais ricos e os mais pobres, uma Justiça ao serviço de todos, em que o mais pobre dos cidadãos se vê sempre ressarcido e compensado em caso de despedimento ilegal ou extorsão. Também ainda está para nascer um país como Portugal, que coloca na cadeia os Banqueiros causadores de falências fraudulentas nos seus Bancos e, com pena deles e dos seus fracos recursos financeiros, os ajuda com centenas de milhões de euros retirados das reformas dos malandros e opulentos reformados e pensionistas. Claro que já não falamos aqui do nível de exigência que a nossa social-democracia coloca aos seus máximos dirigentes, nomeadamente aos que presidem ao governo ou à presidência da República, pois todos eles se podem gabar de um passado e presente exemplar no que respeita ao cumprimento das suas obrigações como cidadãos, principalmente no que concerne ao atempado pagamento de impostos e à Segurança Social. Não sei se me entendem, claro!...

 

Por último, desculpem-me, já nem sei se estive aqui a falar da social-democracia na Suécia, na Noruega ou... ai a minha cabeça... da social-democracia do PSD, em Portugal.