Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

russomanias

russomanias

Eu não sou filho único

Há dias todos ouvimos nos Telejornais que o governo iria constituir uma "comissão" para analizar e apresentar propostas para aumentar a natalidade em Portugal. Ainda hoje, 16 de Outubro, por exemplo, os partidos do governo, PSD e CDS, apresentaram na Assembleia da República uma resolução para debater a natalidade, com a sujestão a todos os partidos para que apresentem as suas sujestões e propostas. Fiquei bastante curioso sobre a matéria, fiz entretanto os meus juízos e não tardei a tirar as minhas conclusões. Sim, como qualquer outro cidadão deste país, preocupo-me com o que se está a passar de grave com a extremamente baixa natalidade dos últimos anos, com o número crescente de pessoas idosas relativamente ao número efectivo de jovens. É que, como muitas outras pessoas, embora cada vez mais caso raro, ainda sou do tempo em que casais com três, quatro e cinco filhos era das coisas mais banais do mundo, sendo até o meu caso o facto de ter mais cinco irmãos.  

 

Mas então, vamos lá ver, como se poderá incentivar o aumento da natalidade com políticas de baixos rendimentos, salários de miséria, retiradas constantes de abonos de família, altas taxas de desemprego, nomeadamente desemprego jovem, incentivos verbais aos jovens, por parte do Senhor Primeiro Ministro, para emigrarem, aumento constante da precaridade laboral, liberalização selvagem dos horários de trabalho, custos elevados no acesso à saúde, ensino e com creches e infantários?

 

Agora, que o Governo apresentou o Orçamento de Estado para 2015, que vemos nós quanto a medidas para um real incentivo da natalidade?... estranhamente... nada!... Mas então, andam a brincar connosco ou quê? Se querem de facto promover a natalidade... onde estão as medidas para que tal aconteça? É que, como no tempo de meu pai e de minha mãe, já não basta acrescentar mais um pouco de água na panela da sopa para ficar garantido o sustento e o futuro de mais um filho... agora a música é outra!... entendeu, Senhor Primeiro Ministro?... entenderam, Senhores que garatujaram, apressada e desfasadamente... esse tal de Orçamento de Estado/2015?...

 

.

 

 

 

 

 

.