Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

russomanias

russomanias

Torpedos e... Acordo Pornográfico

Consideremos uma frase do seguinte teor: "O Senhor Doutor Juiz considerou o facto como provado". Como interpretar a frase? No tempo em que eu andei na minha linda escolinha, só o poderia ser no sentido de que o Senhor Doutor Juiz deu o caso, o acto, o acontecimento como tendo ficado provado. E agora esta outra fase: "O Senhor Doutor Juiz deu o fato como provado". Eu e os outros meninos da escolinha diriamos logo que o Senhor Doutor Juiz deveria ter ido de certeza ao alfaiate provar o seu fato, conjunto de calça e casaco, e deu a entender ao artesão que considerava a prova feita. Costumava dizer-se até, "fui ao meu alfaiate provar o fato". Pois agora esta gentinha do acordo pornográfico, desculpem, ortográfico, decidiram vandalizar o português e, entre outras alhadas em que nos meteram, estipularam considerar que "facto" e "fato" são a mesma coisa, quando nós sabemos que não são, pois num caso significa acontecimento, caso, acto, e, no outro, vestuário, como conjunto de calça e casaco, no caso dos homens, ou saia e casaco, no caso das senhoras. Esta foi uma das calinadas, mas muitas outras se fizeram para agradar a interesses que nada têm a ver com a origem histórica da lingua portuguesa.

 

Que diriam Camões, Vieira, Camilo, Eça e Pessoa destes escrevinhadores sentados nas secretarias governamentais que decidiram prostituir a nossa lingua a seu bel prazer, somente para agradar aos interesses globalizadores dos "mensaleiros" do Palácio do Planalto?... Eça de Queirós de certeza que os escalpelizaria a todos!...

 

Ao não tomarmos medidas muito firmes e sérias, não vai demorar muito tempo e ouviremos um dos nossos filhos dizer para a sua "garota": "Meu bem, depois lhe enviarei um torpedo do meu celular". Este português macarrónico cheira-me a sopa estragada... "torpedo" no lugar de "mensagem", "celular" no lugar de "telemóvel".

 

Meu tio-avô duriense, verdadeiro português de gema, de linguagem viperina e crua, se fosse vivo, depois de um bom caldo de couve galega daria de certeza um belo e sonante traque a um desses paspalhões responsáveis pelo chamado acordo pornográfico, desculpem, ortográfico, terminando, satisfeito... "humm... mas que belo torpedo"!...

          

          

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.